Lula queda más cerca de la cárcel tras otro fallo de la Justicia brasileña

67
Contexto Nodal
Lula fue condenado a 12 años y un mes de prisión por corrupción pasiva y lavado de dinero en el marco de la causa Lava Jato. Se lo acusa de haber recibido un departamento en el balneario paulista de Guarujá en carácter de soborno por parte de la constructora OAS. Lula denuncia falta de pruebas y persecución política. Aún queda por definirse si el exmandatario irá a prisión y si podrá competir en los comicios presidenciales de octubre.

Lula quedó a un paso de la cárcel

El político más popular de Brasil y el líder de izquierda más importante de América Latina está a un paso de ir preso. Ayer lunes un tribunal de apelación denegó los recursos presentados por el expresidente Lula contra una condena a más de doce años de cárcel, comprometiendo sus chances tanto de volver al poder como de seguir en libertad.

La jurisprudencia brasileña autoriza a encarcelar a los acusados que hayan agotado las apelaciones en la segunda instancia, como ocurrió este lunes con Luiz Inácio Lula da Silva, de 72 años, que gobernó Brasil por dos períodos entre 2003 a 2010.

Pero el Supremo Tribunal Federal (STF, corte suprema) le garantizó la semana pasada que no sería detenido al menos hasta el 4 de abril, cuando reanude la discusión de un habeas corpus que podría permitirle mantener su libertad hasta que finalicen otras instancias judiciales superiores. Un camino que puede llevar años y que empieza con el Supremo Tribunal de Justicia (STJ, tercera instancia) y puede llevarlo de vuelta ante el propio STF.

Los abogados de Lula denunciaron una “condena ilegal” y no se mostraron satisfechos con las explicaciones dadas ayer lunes. A su entender “no se agotaron los recursos” de segunda instancia y señalaron que podrían cuestionar el fallo dentro del mismo tribunal, un recurso que rara vez suele ser admitido, según juristas.

Si esa condena quedara firme, Lula también estaría impedido de presentarse como candidato según la ley electoral brasileña, en momentos en que lidera los sondeos para las presidenciales de octubre.

Lula fue hallado culpable de recibir 2,25 millones de reales (unos 700.000 dólares) en sobornos de parte la constructora OAS, que se habrían materializado en la reserva y reforma de un apartamento en el balneario de Guarujá, en el litoral del estado de San Pablo, a cambio de su influencia para obtener contratos en Petrobras. Esa sentencia fue confirmada en enero y la pena elevada a 12 años y un mes de cárcel por el Tribunal Regional Federal (TRF4) de Porto Alegre.

El caso se enmarca en el escándalo de sobornos a políticos revelado por la Operación Lava Jato, la mayor investigación de corrupción en Brasil, que implicó a políticos de casi todos los partidos, arrastró a grandes constructoras como Odebrecht y se extendió por una docena de países entre América Latina, Estados Unidos, Europa y África.

La semana pasada Pedro Pablo Kuczynski renunció a la presidencia de Perú por sus vínculos con la constructora brasileña Odebrecht.

Lula enfrenta otros procesos judiciales. En todos se declara inocente y los atribuye a una conspiración de las “élites” para impedirle volver al poder.

La decisión del STF el próximo 4 de abril es aguardada con ansiedad. Si es aceptado el recurso para Lula podría abrir la puerta a decenas de pedidos similares por parte de otros condenados en segunda instancia para salir de la cárcel y aliviar el futuro de numerosas personalidades que están en la mira de las investigaciones, como el presidente Michel Temer y varios de sus principales colaboradores.

Cuesta arriba.
Lula se halla actualmente en una gira proselitista por el sur de Brasil. Hace una semana compartió estrado con el expresidente y actual senador del MPP José Mujica en la frontera Livramento-Rivera. Esta gira está marcada por incidentes provocados por sus adversarios que atacaron a pedradas los autobuses de la comitiva y arrojaron huevos contra los oradores en los actos.

La gira concluirá mañana miércoles en Curitiba, la ciudad donde oficia el juez Moro, apodada “capital de la Operación Lava Jato”.

Las mismas razones que lo acercan a la cárcel, alejan a Lula de las elecciones: según la justicia electoral, la llamada ley de “ficha limpia” prohíbe a condenados con sentencia firme de segundo grado disputar cargos electivos.

Pero la última palabra al respecto la tendrá el Tribunal Superior Electoral, que analizará las candidaturas entre julio y agosto.

¿Temer candidato?
El abanico electoral en Brasil está tan abierto a partir del caso Lula, que hasta el presidente Temer admitió hace unos días, por primera vez públicamente, que puede aspirar a ser reelegido en las elecciones del 7 de octubre próximo.

“Aún no decidí. No es improbable, pero aún no lo decidí”, afirmó el jefe de Estado a periodistas que lo interrogaron sobre el asunto.

“El tiempo lo dirá en el límite legal”, agregó el mandatario al indicar que tiene tiempo para decidirlo hasta agosto próximo.

De acuerdo con el calendario establecido por el Tribunal Superior Electoral (TSE), el 5 de agosto vence el plazo para que los partidos decidan en sus convenciones los candidatos que postularán a las elecciones de octubre y el 15 de agosto vence el plazo para la inscripción de las candidaturas.

Desde que asumió la presidencia brasileña, en mayo de 2016 para sustituir a la destituida Dilma Rousseff, de quien era vicepresidente, Temer había dicho que no pretende intentar la reelección.

El partido Movimiento Democrático Brasileño (PMDB), al que pertenece Temer, hasta ahora no ha anunciado ningún precandidato para las presidenciales de octubre y venía esperando una posible indicación del jefe de Estado.

Hasta ahora en el PMDB se viene manejando la candidatura del ministro de Hacienda, Henrique Meirelles, que renunciará la semana que viene para competir por la presidencia o ser el compañero de fórmula de Temer.

El País


TRF-4 mantém condenação de Lula em recurso do ex-presidente na segunda instância

A 8ª turma do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região) negou, nesta segunda-feira (26), mudar o teor da decisão que condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso tríplex e abriu caminho para o cumprimento da prisão do petista.

Os juízes determinaram apenas ajustes de redação no texto da decisão e rebateram os pedidos de anulação do processo. Depois que a decisão for publicada, a defesa de Lula ainda pode apresentar um recurso. No entanto, o tribunal tem considerado essa medida como protelatória, e negado sem julgar.

Lula não pode ser preso até pelo menos o dia 4 de abril, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) prevê julgar habeas corpus apresentado pelos advogados do ex-presidente. Até lá, uma decisão liminar impede que ele seja preso.

Ao ler trechos do seu voto, o relator João Pedro Gebran Neto afirmou que manteve o mérito da decisão que condenou Lula e disse que tratou de todos os pontos questionados pela defesa de Lula.

Mas retificou algumas passagens do voto “que dizem respeito a erros materiais”, como quando trocou erroneamente o nome de empresas do grupo OAS, como “construtora OAS” ou “OAS empreendimentos”.

Seu voto foi seguido pelos outros integrantes da turma, os juízes Leandro Paulsen e Victor Laus. O acórdão com as correções e argumentos do tribunal deve ser publicado em até dez dias.

Não foram modificados pontos que dizem respeito à condenação ou execução provisória de pena de Lula.

Após o julgamento, que durou cerca de 15 minutos –tempo maior do que o tribunal costuma levar para decidir embargos de declaração de outros réus—a defesa de Lula disse a jornalistas que estuda quais recursos serão apresentados agora.

Eles podem apresentar novos embargos de declaração –que a turma do TRF-4 costuma rejeitar sem julgar ou recursos ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e STF.

“Aqui viemos para verificar e constatar para nos certificarmos de que não seria expedida qualquer ordem de prisão contra o ex-presidente Lula nos precisos e exatos termos do que decidiu o Supremo Tribunal Federal na semana passada. Foi cumprida a decisão do Supremo Tribunal Federal”, disse José Roberto Batochio, advogado de Lula.

Segundo ele, o presidente também não pode ser considerado, ainda, um “ficha-suja” e ser impedido de se candidatar. ”Não é [um ficha-suja] porque a decisão não transitou em julgado, porque este julgamento ainda não acabou”, disse.

STF

Caso o Supremo decida de forma contrária ao habeas corpus, cabe ao juiz Sergio Moro executar a prisão de Lula. Desde agosto do ano passado, ele já tem determinado a prisão de réus da Lava Jato cujos recursos em segunda instância se esgotaram.

Lula havia apresentado os recursos, chamados embargos de declaração, no dia 20 de fevereiro, quase um mês depois de ter a pena aumentada para 12 anos e um mês pelos juízes.

Em primeira instância, ele já havia sido condenado por Moro a nove anos e seis meses de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro.

Em teoria, os embargos de declaração pedem, apenas, esclarecimentos sobre a sentença, não podendo reverter a condenação —mas a defesa enviou ao tribunal 175 páginas que contestavam a decisão.

Com a decisão contrária, a defesa ainda pode apresentar recursos ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) e ao STF. Esses recursos são encaminhados, primeiro, ao próprio TRF-4, que decide se irá remetê-los aos tribunais superiores.

Na ação, Lula foi acusado pelo Ministério Público Federal de receber da construtora OAS um tríplex reformado em Guarujá (SP) como propina de parte de um acerto da empreiteira com o PT em contratos com a Petrobras.

O ex-presidente sempre negou as acusações e ainda responde a outras seis ações na Lava Jato e Zelotes, duas delas conduzidas por Moro e outras quatro na Justiça Federal de Brasília.

Ao votar para elevar a pena de Lula, em janeiro, o juiz Paulsen disse que levou em conta o fato de o petista ter ocupado o mais alto cargo do país. “É um elemento importantíssimo”, disse o magistrado. “A prática de crimes no exercício do cargo ou em função dela é algo incompatível.”

Ele afirmou que a participação de Lula em desvios na Petrobras é “inequívoca”. “Há elementos de sobra a demonstrar que [Lula] concorreu para os crimes de modo livre e consciente, para viabilizar esses crimes e perpetuá-los.”

No dia 4, quando o habeas corpus pode ser julgado, ocorrerá a próxima sessão plenária do Supremo. Durante o feriado da Semana Santa e, de quarta-feira (28) a domingo (1º), os ministros estarão de folga, conforme uma lei de 1966 que amplia o recesso.

EDUARDO CUNHA

Nesta segunda, os juízes também mantiveram a pena do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB), cujos embargos de declaração também foram julgados.

Cunha foi julgado em novembro de 2017 e, na época, teve a pena reduzida pela 8ª turma de 15 anos e quatro meses para 14 anos e seis meses de prisão.

Folha de S. Paulo


Defesa nega inelegibilidade de Lula e diz que recorrerá de decisão

A defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) negou nesta segunda-feira (26) que seu cliente já esteja inelegível com base na Lei da Ficha Limpa. De acordo com o advogado José Roberto Batochio, para que isso aconteça, é necessário que não caibam mais recursos na segunda instância, o TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região). “Não [é ficha-suja] porque a decisão não transitou em julgado. Não acabou”, disse o advogado após a sessão que rejeitou os embargos finais do ex-presidente.

Por três votos a zero, o Tribunal negou, na tarde de hoje, o recurso da defesa de Lula na segunda instância para corrigir omissões e contradições na decisão que elevou a pena de Lula para 12 anos e um mês de prisão no processo do tríplex.

Os advogados de Lula esperam a publicação do acórdão da sessão de hoje para definir se entram com novos recursos no próprio TRF-4. “Há aspectos importantes que precisamos conferir se foram enfrentados”, disse o advogado Crisitiano Zanin Martins, que lidera a defesa de Lula. “Em princípio, nós podemos identificar algumas omissões, mas devemos esperar a publicação do acórdão.”

O acórdão deve ser publicado até dez dias após a sessão. Com base nele, a defesa pode apresentar novos embargos de declaração sobre os embargos que foram negados nesta segunda-feira (26) por unanimidade pela 8ª Turma do TRF-4. A defesa de Lula afirmou que irá recorrer. Se não ao tribunal de Porto Alegre, ao STJ (Superior Tribunal de Justiça), a próxima instância da Justiça em que o processo deve tramitar.

Para Batochio, não há um abuso da defesa em utilizar recursos, negando que eles tenham como objetivo atrasar a definição do processo. “Não há postergação alguma. Os recursos não são inventados pela defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e nem de nenhum réu”, diz o advogado. “Não há postergação alguma. Os recursos não são inventados pela defesa de Luiz Inácio Lula da Silva e nem de nenhum réu”.

Lula pode ser candidato?

A decisão de hoje não impede, na prática, o ex-presidente de pedir o registro de candidatura à Justiça Eleitoral e até mesmo fazer campanha e receber votos no dia da eleição – desde que sua prisão, pedida pelos desembargadores do TRF-4, não seja consumada.

Isso porque ele ainda pode apresentar recursos contra a condenação criminal – no STJ (Superior Tribunal de Justiça) e no STF (Supremo Tribunal Federal) – e também com o objetivo de conseguir registrar sua candidatura – na Justiça Eleitoral. Enquanto os recursos não forem julgados em definitivo, o ex-presidente pode atuar como qualquer outro candidato.

Lula é o pré-candidato do PT à eleição presidencial de outubro e tem liderado as principais pesquisas de intenção de voto para o pleito, sempre seguido pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

A decisão sobre se Lula pode ou não disputar a eleição deste ano também passa pela Justiça Eleitoral, com possibilidade de recurso ao STF (Supremo Tribunal Federal). O órgão só entra em ação em agosto, quando corre o prazo para o registro de candidaturas.

UOL


Moro teme retrocesso com concessão de habeas corpus para Lula

O juiz Sérgio Moro, responsável pelo julgamento dos casos da Operação Lava-Jato em primeira instância, considerou um retrocesso a possibilidade de o Supremo Tribunal Federal (STF) revisar a decisão em que determina que condenados passem a cumprir a pena após o julgamento em segunda instância. Em entrevista ao programa Roda Viva, na TV Cultura, na noite dessa segunda-feira, o magistrado afirmou que seria um “passo atrás” caso a Suprema Corte entenda que as penas só podem ser cumpridas após o condenado recorrer em todas as instâncias possíveis. O STF marcou para 4 de abril o julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que pode alterar o entendimento sobre quando são feitas as prisões.

“A revisão do precedente no Supremo seria muito ruim para o país. Vejo que passaria uma mensagem errada e representaria um passo atrás”, afirmou Moro. Segundo ele, a capacidade financeira de políticos e empresários em contratar bons advogados faz com que processos fiquem intermináveis e as penas acabem prescrevendo, criando uma “impunidade para poderosos”. O juiz afirmou que tem confiança de que o STF tomará a decisão certa e defendeu que os tribunais brasileiros demonstrem “firmeza” em casos que envolvem atos de corrupção. Para Moro, a revisão do entendimento no Supremo pode colocar na rua não apenas políticos corruptos, mas também pedófilos e traficantes. Ele disse também não acreditar em um acordão no Supremo para favorecer Lula.

LAVA-JATO

“Espero que o sistema, todas as instâncias do Judiciário, mostre uma firmeza, porque a Lava-Jato revelou que havia um quadro de corrupção muito grave, sistêmica, que joga nosso país para trás, que afeta a democracia. O sistema de Justiça tem que funcionar e tem que ser firme. Espero que o sistema reaja proporcionalmente à gravidade dos fatos. Tenho a confiança que o Supremo vai tomar as decisões apropriadas para esses casos, não digo só do caso do ex-presidente, mas de todos envolvendo a Lava-Jato”, afirmou Moro. O juiz defendeu ainda a restrição do foro privilegiado.

Questionado sobre o recebimento de auxílio-moradia – de cerca de R$ 4,3 mil – para magistrados e sobre sua fala de que o benefício seria uma forma de complemento ao salário dos juízes, uma vez que a categoria está sem reajuste, o magistrado voltou a defender o benefício. “Não me sinto autorizado para falar sobre os direitos corporativos dos magistrados. Quando me manifestei, acho que a imprensa tem todo direito de questionar benefícios. Mas ele procurou justificar o auxílio-moradia: “Existe previsão constitncional de que os subsidios deveriam ser reajustado anualmetne, e isso não ocorre há três anos”.

EM


VOLVER
También podría gustarte