La ruptura de un dique de contención de residuos mineros en Brasil deja más de 200 personas desaparecidas y causa desastre ambiental

Foto: CBMMG/Divulgação
66

Colapsó una represa en Brasil: los bomberos dicen que hay unos 200 desaparecidos

“Hay alrededor de 200 desaparecidos”, informaron el viernes los bomberos, en lo que fue el primer reporte oficial de la catástrofe en el sudeste de Brasil.

Un dique de contención de residuos de la minera Vale cedió este viernes en el estado brasileño de Minas Gerais (sudeste), dejando “varios muertos”, según los primeros testimonios, dijo a la agencia de noticias AFP un portavoz del cuerpo de bomberos.

“Según los relatos que estamos recibiendo, hubo varios muertos”, la corriente de residuos “tomó toda la zona de la empresa”, en la localidad de Brumadinho, a 60 kilómetros de Belo Horizonte, la capital de Minas, precisó el funcionario.

En 2015, la ruptura de un dique minero de Vale y BHP-Billiton en Mariana, otra localidad de Minas Gerais, dejó 19 muertos, en el mayor desastre ambiental de la historia de Brasil.

Vale informó en un comunicado que la ruptura de este viernes se produjo a inicios de la tarde y que su “prioridad total, en este momento, es preservar y proteger la vida de los empleados y de los habitantes”. El documento no dice nada sobre las causas del siniestro.

Las primeras informaciones indican que los desechos alcanzaron parte de la comunidad de Vila Ferteco.

Una joven de Nova Lima, de ​​17 años, dijo que su padre “escapó de morir” en medio del caos. “Ahora estamos tranquilos porque mi padre ha entrado en contacto con mi madre y dijo que está todo bien”, señaló la adolescente.

Alrededor de las 13:30, el Ayuntamiento de Brumadinho alertó en sus redes sociales para que la población de la ciudad no se acerque a la zona y se mantenga a resguardo.

Imágenes áreas difundidas por los bomberos muestran impresionantes riadas de lodo avanzando sobre grandes superficies de vegetación. La televisión mostró casas destruidas.

El municipio de Brumadinho, que se encuentra a 4,5 kilómetros del gran museo a cielo abierto de Inhotim, pidió en las redes sociales que la población se mantenga alejada del río Paraopeba, sobre el que estaba construida la presa.

Infobae


Después de 3 años del crimen de Mariana, se rompió una nueva represa en Minas Gerais

La represa Mina do Feijão, que pertenece a la compañía brasileña Vale, se rompió este viernes (25), en el municipio de Brumadinho, una de las ciudades de la región metropolitana de Belo Horizonte, capital del estado de Minas Gerais [sureste de Brasil].

Según informaciones del cuerpo de bomberos, 200 personas están desaparecidas y cuatro fueron rescatadas y reciben atención médica en un hospital en Belo Horizonte. Las primeras informaciones señalan que los relaves afectaron el área administrativo de la compañía y una parte de la comunidad de Vila Ferteco.

El Instituto Inhotim, el mayor museo a cielo abierto de arte contemporánea en Brasil, ubicado en el municipio, fue evacuado.

Aunque no sea posible evaluar los daños reales causados por la ruptura de la represa, especialistas consultados por Brasil de Fato afirman que el barro tóxico puede afectar a 19 ciudades.

La ruptura de la represa en Brumadinho tuvo lugar tres años después del crimen ambiental en el municipio de Mariana, también en Minas Gerais – un accidente que, en noviembre de 2015, liberó cerca de 62 millones de metros cúbicos de lodo tóxico y dejó 17 muertos, tras la ruptura de la represa de Fundão, perteneciente a la empresa conjunta Samarco [copropiedad de la Vale y BHP Billiton].

Maria Júlia Gomes de Andrade, coordinadora del Movimiento por la Soberanía Popular en la Minería (MAM), afirma que el licenciamiento ambiental de la represa fue realizado de manera acelerada por el gobierno de Minas Gerais en diciembre.

“Tramitaron las tres licencias de forma conjunta (Licencia Previa, Licencia de Instalación y Licencia de Operación) para acelerar el proceso. Toda la población que vive alrededor de la represa temía esa expansión. Ahora se confirma que el miedo de la gente se materializó”, señala.

El Movimiento de Afectados por Represas (MAB) expresó su solidaridad a los afectados por la ruptura de la presa y denunció los impactos de la minería en Brasil: “Denunciamos el modelo de minería, con empresas privatizadas y multinacionales que privilegia el lucro por encima de la vida de miles de personas”, afirma el movimiento en un comunicado de prensa.

“La represa tiene capacidad de 1 millón de metros cúbicos de relaves, que ahora serán derramados sobre el río Paraopeba, dejando un rastro de destrucción y muerte y poniendo en riesgo el abastecimiento de miles de familias en más de 48 municipios de la Cuenca del río Paraopeba.”

Alerta

Brasil de Fato publicó una nota a fines de 2018 donde se alertaba sobre la ampliación de la minería en la ciudad.

El 11 de diciembre, el Consejo Estadual de Política Ambiental (Copam) aprobó la ampliación de la mina en los municipios de Brumadinho y Sarzedo, en la Región Metropolitana de Belo Horizonte. Las minas están ubicadas en la zona de amortiguamiento de un Parque Estadual y enfrentaban una fuerte resistencia de los habitantes.

En un comunicado de prensa, el gobierno de Minas Gerais informó que una Fuerza de Tarea está actuando para acompañar y tomar las medidas necesarias. Por su vez, la empresa Vale informó que su prioridad “es conservar y proteger la vida de sus empleados e integrantes de la comunidad”.

Brasil de Fato


Bombeiros confirmam cerca de 200 desaparecidos em barragem de Brumadinho

O Corpo de Bombeiros confirmou na tarde desta sexta-feira que pelo menos 200 pessoas estão desaparecidas depois da tragédia na Barragem 1 da Mina Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Vários órgãos, principalmente os de segurança, estão no local para definir estratégias de atendimento.

O Sistema de Comando de Operações está estruturado no Centro Social do Córrego do Feijão, nas proximidades do campo de futebol e da igreja católica. O campo está sendo usado como área de avaliação e triagem das vítimas para atendimento médico, além de estacionamento de viaturas.

Um posto para arrecadação de alimentos também foi montado na Faculdade Asa, de Brumadinho.

A operação mobiliza 51 bombeiros e seis aeronaves, que estão resgatando várias pessoas ilhadas em diversos pontos a todo momento.

Mais cedo, a Vale confirmou, por meio de nota, que havia empregados na área administrativa, atingida pelos rejeitos. A mineradora informa que o fato indica a possibilidade, ainda não confirmada, de vítimas.

Parte da comunidade da Vila Ferteco também foi atingida. A empresa avisa que o resgate e os atendimentos aos feridos estão sendo feitos no local pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil.

“Ainda não há confirmação sobre a causa do acidente. A prioridade máxima da empresa, neste momento, é apoiar nos resgates para ajudar a preservar e proteger a vida de empregados, próprios e terceiros, e das comunidades locais. A Vale continuará fornecendo informações assim que confirmadas”, diz o texto.

EM


‘Tragédia em Brumadinho pode ser maior que a de Mariana’, diz tenente

Pelo menos 50 pessoas morreram em decorrência do rompimento da barragem de Córrego do Feijão, operada pela Vale, conforme estimativa do prefeito de Brumadinho, Avimar de Melo, o Neném da Asa (PV). Mais cedo, o Corpo de Bombeiros informou que 200 pessoas estão desaparecidas.

“Não temos mais detalhes porque está tudo acontecendo muito rápido”, diz. Segundo o chefe do executivo, a lama continua descendo o Rio Paraopeba e há preocupação com a comunidade ribeirinha. “As pessoas que moram perto do rio devem sair, pois há risco de transborde”, alerta.

No local, equipes de vários órgãos se reúnem para definir estratégias de atendimentos. Equipes médicas atendem as vítimas e realizam as triagens das vítimas no campo de futebol ao lado do Sistema de Comando de Operações (SCO) no Centro Social do Córrego do Feijão. Diversas pessoas ilhadas estão sendo resgatadas por 51 bombeiros e seis aeronaves da corporação a todo o momento.

Um posto de arrecadação de alimentos ainda foi montado na Faculdade Asa de Brumadinho e é comandado pelo Corpo de Bombeiros.

Histórico

A notícia do rompimento da barragem Córrego do Feijão chegou no início da tarde desta sexta-feira (25) e, segundo o Corpo de Bombeiros, há relatos de mortes no local. Conforme os militares, o rompimento ocorreu próximo a Mário Campos e as proporções da destruição ainda são desconhecidas.
A Polícia Militar destacou que helicópteros da corporação também foram deslocados para a região da barragem. Equipes da Defesa Civil municipal também foram deslocadas para a área da barragem.

Uma força-tarefa do Estado de Minas Gerais já está no local do rompimento. O objetivo é acompanhar e tomar as primeiras medidas. O governo determinou a formação de um gabinete estratégico de crise para acompanhar de perto as ações.

O Ministério da Integração Nacional informou que o secretário nacional de proteção e Defesa Civil, Coronel Alexandre Lucas – ex-coordenador da Defesa Civil de Belo Horizonte -, está se deslocando para Brumadinho. De acordo com a assessoria de imprensa da pasta, o gestor estava em uma agenda oficial em Maceió, mas cancelou os compromissos.

O diretor do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cenad), Armin Braun, também irá ao local do acidente, segundo o ministério.

O Tempo


Barragem da Vale se rompe em Brumadinho, na Grande BH

Uma barragem da mineradora Vale se rompeu nesta sexta-feira (25), em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Imagens aéreas mostram que um mar de lama destruiu casas da região do Córrego do Feijão.

Quatro feridos chegaram, até as 16h20, ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII. O Corpo de Bombeiros confirmou por volta das 17h que havia aproximadamente 200 pessoas desaparecidas.

A empresa diz que havia empregados no local do rompimento e que há possibilidade de vítimas. Segundo os Bombeiros, um refeitório da empresa foi atingido. Ainda não há informação sobre a causa do acidente.

A Vale informou que o rompimento ocorreu no início da tarde de hoje, na Mina Feijão. Os rejeitos atingiram a área administrativa da companhia e parte da comunidade da Vila Ferteco.

“A prioridade total da Vale, neste momento, é preservar e proteger a vida de empregados e de integrantes da comunidade”, disse em nota (veja íntegra ao final do texto).

O que se sabe até agora

– Rompimento ocorreu no início da tarde na Mina do Feijão, da Vale, em Brumadinho;
– Mar de lama destruiu casas;
– Havia empregados da Vale no local atingido pelo rompimento;
– Quatro vítimas com ferimentos foram resgatadas por helicóptero;
– O Corpo de Bombeiros diz que há cerca de 200 pessoas desaparecidas;
– Corpo de Bombeiros e Defesa Civil estão no local; cinco helicópteros resgatam pessoas ilhadas em diversos pontos;
– Ao menos seis prefeituras emitiram alerta para que população se mantenha longe do leito do Rio Paraopeba, pois o nível pode subir. Às 15h50, os rejeitos atingiram o rio;
– Rodovia estadual que leva a Brumadinho está fechada;
– Governo montou gabinete de crise, e 3 ministros estão a caminho; Bolsonaro também quer ir ao local.
– Por precaução, o Instituto Inhotim está retirando funcionários e visitantes do local.

Ações de emergência

De acordo com a Defesa Civil, os moradores que vivem na parte mais baixa da cidade estão sendo retirados das casas.

Cinco helicópteros estão trabalhando no local no resgate de vítimas – três dos bombeiros, um da Polícia Civil e um do Exército. Não há como chegar ao local por terra.

A Polícia Rodoviária Estadual informou que a MG-040, entre as cidades de Brumadinho e Mário Campos, está totalmente interditada por causa do rompimento da barragem.

Em Betim, uma equipe da Defesa Civil está às margens do Rio Paraopeba. A intenção é monitorar o nível da água e verificar se há risco de o rio transbordar.

A Cruz Vermelha informou que uma equipe de 50 voluntários treinados em resgate foi enviada para a região.

A Arquidiocese de Belo Horizonte informou que iniciou uma campanha para arrecadar donativos para os atingidos pelo rompimento da barragem. As doações podem ser entregues na Rua Além Paraíba, 208, Lagoinha, na capital.

Vítimas

As quatro vítimas que foram levadas para o hospital estão conscientes, estáveis e passam por avaliação.

A Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais (Fhemig) informou que o Hospital de Pronto-Socorro João XXIII está preparado para receber feridos.

Segundo a Fhemig, a emergência do hospital vai atender apenas vítimas do rompimento da barragem. Demais casos serão direcionadas para outras unidades de saúde.

Ainda segundo o órgão, outros hospitais da rede estão se mobilizando para dar retaguarda ao João XXIII.

Onda de rejeitos

O rompimento da barragem de rejeitos deixou em estado de atenção municípios banhados pelo Rio Paraopeba. Há risco que, em consequência do incidente, o nível suba repentinamente. Na região Centro-Oeste de Minas, Pará de Minas e Itaúna estão fazendo monitoramento.

A Agência Nacional de Águas (ANA) informou que a “onda de rejeitos” deve ser amortecida pela barragem da usina hidrelétrica de Retiro Baixo, localizada a 220 quilômetros do local do rompimento (leia nota completa).

A estimativa da agência de águas é de que os rejeitos atinjam a barragem da hidrelétrica em cerca de dois dias.

A ANA afirmou que está monitorando a onda de rejeito e coordenando ações para manter o abastecimento de água e sua qualidade para as cidades que captam água ao longo do Rio Paraopeba.

Segundo a Copasa, o abastecimento de água na Região Metropolitana de BH não deve ser prejudicado e que está monitorando a situação.

Governo federal

“Lamento o ocorrido em Brumadinho-MG. Determinei o deslocamento dos Ministros do Desenvolvimento Regional e Minas e Energia, bem como nosso Secretario Nacional de Defesa Civil para a Região. Nossa maior preocupação neste momento é atender eventuais vítimas desta grave tragédia. O Ministro do Meio Ambiente também está a caminho. Todas as providências cabíveis estão sendo tomadas.” Leia a repercussão completa.

Segundo a Casa Civil, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu na tarde desta sexta-feira com o ministro-chefe da pasta, Onyx Lorenzoni, para discutir o rompimento da barragem. Conforme a Casa Civil, o encontro definiu que os ministros Bento Albuquerque (Minas e Energia), Gustavo Canuto (Desenvolvimento Regional) e Ricardo Salles (Meio Ambiente) foram escalados para acompanhar o caso.

O ministro de Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse ao jornalista Valdo Cruz, da GloboNews e do G1, que uma equipe de emergência do Ibama já foi deslocada para a região. O ministro também disse que, além do atendimento às possíveis vítimas, a preocupação é com a poluição nos rios da região.

Governo estadual

Uma força-tarefa do governo de Minas Gerais já está no local do rompimento da barragem em Brumadinho. “O governo de Minas Gerais já designou a formação de um gabinete estratégico de crise para acompanhar de perto as ações”, disse por meio de nota (veja íntegra ao final da reportagem).

“Todo aparato estatal está mobilizado e foi deslocado para a região de Brumadinho, onde ocorreu o rompimento, para acompanhar de perto as ações e colaborar no que for preciso. Estão a caminho da Mina do Feijão, o secretário de Meio Ambiente, Germano Vieira, a secretária de Impacto Social, Elizabeth Jucá, além dos Bombeiros e Defesa Civil”, diz nota do governo.

Por volta das 15h40, Romeu Zema estava saindo do interior de Minas e indo para Belo Horizonte, para comandar o gabinete de crise. “O governador está atuando e acompanhando os desdobramentos, para que as primeiras medidas sejam tomadas, e o atendimento imediato seja dado às vítimas e população local, além de acompanhar a apuração dos fatores que causaram o acidente”, disse o governo.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Semad) informou que ainda está levantando as informações sobre a barragem. O órgão ainda não sabe dizer se a mina tinha alarme e plano de emergência no local.

A Defensoria Pública de Minas Gerais informou que já está atuando em Brumadinho e que vai funcionar em regime de plantão.

Alerta das prefeituras

Fotos de moradores divulgadas pelo Corpo de Bombeiros mostram a lama. Nas redes sociais, a prefeitura de Brumadinho, Mario Campos, Juatuba, São Joaquim de Bicas, Igarapé e Betim publicaram alertas para que a população não fique perto do leito Rio Paraopeba.

Vídeo da lama

Um vídeo divulgado nas redes sociais mostra o estrago causado pela lama (veja abaixo). “O Feijão acabou com tudo, com restaurante, tava todo mundo almoçando. Acabou com tudo, acabou com tudo, tem nada mais”, diz o autor das imagens.

Tragédia em Mariana

No dia 5 de novembro de 2015, o rompimento da barragem de Fundão, da mineradora Samarco, controlada pela Vale e pela BHP Billington, deixou 19 mortos e causou uma enxurrada de lama que inundou várias casas no distrito de Bento Rodrigues, em Minas Gerais.

A barragem de Fundão abrigava cerca de 56,6 milhões de m³de lama de rejeito. Desse total, 43,7 milhões m³ vazaram. Os rejeitos atingiram os afluentes e o próprio Rio Doce, destruíram distritos e deixaram milhares de moradores da região sem água e sem trabalho.

Vale ainda responde a processo

A Vale se tornou ré uma ação da Justiça Federal em 2016, ao lado da Samarco e da BHP, em uma ação por homicídios e crimes ambientais. Além das 3 empresas, 22 pessoas e a companhia de engenharia VogBR também respondem ao mesmo processo. Até o final de 2018, essa ação seguia correndo na comarca de Ponte Nova, na Zona da Mata, sem que os réus tenham sido julgados.

Parente de vítima de Mariana revive tragédia

A dona de casa Alinne Ferreira Ribeiro, de 36 anos, perdeu o marido, Samuel Vieira Albino, na época com 33 anos, no rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais.

“Eu estou revivendo uma tragédia. Eu acabei sensibilizada (começa a chorar). Não é fácil”, disse, se referindo à tragédia de três anos atrás.

Ainda segundo ela, o poder econômico que as mineradoras têm impede que resoluções mais eficazes sejam tomadas contra as empresas que trabalham sob forte pressão capitalista.

“As pessoas precisam de empregos, mas com segurança. É só mais uma tragédia e a gente lamenta muito. Foi por causa da impunidade. Essa tragédia aconteceu e serão outras até alguém tomar uma atitude”.

Um grupo de parentes mortos em Mariana vai nesta sexta-feira até Brumadinho para ver como está a situação.

Nota da Vale

Veja a íntegra do texto:

“A Vale informa que, no início desta tarde, ocorreu o rompimento da Barragem 1 da Mina Feijão, em Brumadinho (MG). A companhia lamenta profundamente o acidente e está empenhando todos os esforços no socorro e apoio aos atingidos.

Havia empregados na área administrativa, que foi atingida pelos rejeitos, indicando a possibilidade, ainda não confirmada, de vítimas. Parte da comunidade da Vila Ferteco também foi atingida.

O resgate e os atendimentos aos feridos estão sendo realizados no local pelo Corpo de Bombeiros e pela Defesa Civil. Ainda não há confirmação sobre a causa do acidente.

A prioridade máxima da empresa, neste momento, é apoiar nos resgates para ajudar a preservar e proteger a vida de empregados, próprios e terceiros, e das comunidades locais.

A Vale continuará fornecendo informações assim que confirmadas.”

Nota do governo de MG

“Uma força-tarefa do Estado de Minas Gerais já está no local do rompimento da barragem em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, para acompanhar e tomar as primeiras medidas.

O Corpo de Bombeiros por meio do Batalhão de Emergências Ambientais, e a Defesa Civil também já estão no local da ocorrência trabalhando e há dois helicópteros sobrevoando a região.

O Governo de Minas Gerais já designou a formação de um gabinete estratégico de crise para acompanhar de perto as ações. Assim que houver mais informações, o Governo de Minas Gerais emitirá novos comunicado”

Nota da Defesa Civil

“O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, e o secretário Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec), coronel Alexandre Lucas, chegam hoje (25) à noite a Belo Horizonte (MG) para acompanhar e apoiar o trabalho das defesas civis locais na ocorrência do rompimento de uma barragem na Mina Feijão, no município de Brumadinho, região metropolitana da capital mineira. A prioridade, neste momento, é o socorro e assistência à população afetada.

A mobilização e o apoio do Governo Federal iniciaram logo após o rompimento da estrutura. O ministro conversou por telefone com o presidente da República, Jair Bolsonaro, que reforçou a importância de disponibilizar todo o apoio necessário ao estado e município.

Equipes do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) estão em frequente contato com representantes da prefeitura e governo do estado para orientar nas primeiras ações de resgate às possíveis vítimas e demais necessidades emergenciais.”

G1


VOLVER
También podría gustarte